Segunda - Sexta : 07:30 - 20:30 Hs
contato@endometriosesp.com.br
(11) 2155-8100

Espaço Saúde

14
jan

Nova substância para tratar endometriose

Medicamento de uso contínuo  é a nova opção no tratamento da doença

Apenas as mulheres com endometriose sabem o tamanho e a intensidade do sofrimento causado por cólicas fortes, que pioram a cada mês, aumento do fluxo menstrual, dores abdominais, dor na relação sexual e, até mesmo, problemas de fertilidade.

Por isso, a mulher precisa decidir, junto com seu médico, a partir dos resultados dos exames e do grau dos sintomas, qual o melhor tratamento a seguir, considerando o risco de recidiva – quando a mulher já passou por uma cirurgia.

De acordo com a Dra. Rosa Maria Neme (CRM SP-87844), Diretora do Centro de Endometriose São Paulo, o uso de medicamentos para combater a endometriose é indicado, prioritariamente, no tratamento de casos mais leves, quando a cirurgia não é necessária em um primeiro momento ou, ainda, no tratamento pós-operatório, para evitar o reaparecimento da doença.

Para estas situações, os cientistas desenvolveram uma nova substância: o Dienogeste, com o objetivo de minimizar os efeitos ocasionados por outras drogas já indicadas no tratamento da endometriose. Trata-se de um novo tipo de medicamento de uso contínuo, que emprega uma progesterona de efeito mais androgênico como princípio ativo e que tem um efeito bastante intenso na atrofia (“secamento”) dos focos de endometriose. “Há uma tendência na parada da menstruação e melhora importante dos sintomas inflamatórios da doença. Embora existam alguns estudos e uma maior experiência com este tipo de medicamento principalmente na Europa que demonstram sua eficácia, ainda não temos como avaliar os efeitos a longo prazo e o tempo de tratamento com este princípio ativo. Porém, o uso de medicações à base apenas da progesterona, sem o estrógeno combinado, tende a ser mais efetivo nesses casos”, comenta Dra. Rosa Maria Neme.

+ Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter